9 de maio de 2017

Series addict | Riverdale

Não que isto vá ser uma rubrica frequente aqui no blogue mas achei que podia dar-vos a conhecer um pouco mais de mim e isso passa por aquilo que costumo ver nos meus (parcos) tempos livres.

Isto de ter Netflix é fixe e tem as suas vantagens. Uma delas é ter inúmeras séries “ao preço da chuva” e conseguir ter acesso aos episódios todos, com muito boa qualidade, e receber alertas de quando as nossas séries voltaram “ao ativo” e alertas de novas séries que entretanto surgiram.


Numa das minhas visitas pelo Netflix, este deu-me a conhecer uma série chamada Riverdale. Não seria uma série que iria começar logo a ver se me falassem dela mas decidi ler um pouco sobre a mesma e dar-lhe uma oportunidade. Em pouco tempo, vi os 12 episódios da primeira temporada (o 13º surgirá na próxima 5ª-feira e será o último da primeira temporada), pois até que me cativou.

Qual o assunto principal?
A morte de um jovem adolescente (Jason Blossom, irmão de Cheryl).

Do que fala?
Riverdale é uma cidade pequena, onde meio mundo conhece o outro meio. Basicamente, a série desenrola-se à volta das aventuras e desventuras de um grupo de adolescentes, todos amigos e não sei quê, e com as hormonas do secundário “aos pulos”, loucos por desvendarem o mistério e descobrirem quem matou Jason, o jovem assassinado. Ao mesmo tempo (e está aqui aquele ligeiro twitch que diferencia Riverdale das demais), os pais deste grupo também escondem os seus mistérios, as suas aventuras e desventuras do seu tempo do secundário. Ficamos a conhecer quem se envolveu com quem, que segredos escondem, ameaças que fazem uns aos outros, jogos e manipulações, tudo aquilo a que uma trama bem elaborada tem direito.

Falemos dos personagens:

Jason e Cheryl Blossom: os gémeos ruivos (há uma fixação quase doentia por ruivos nesta série) que são separados logo no primeiro episódio. Porquê? Porque Jason foi assassinado. Resta saber o que aconteceu, onde aconteceu, quem o matou, o que Cheryl estava a fazer com ele, entre outras coisas. Cheryl é uma miúda mimada, absolutamente infantil, habituada a ter tudo e mais alguma coisa “de mão beijada” e que não sabe ouvir um “Não”. Então, podemos resumir Cheryl como sendo a bitch lá da escola (quem não teve uma bitch durante a sua época no secundário?). Por outro lado, Cheryl não recebe amor nenhuma pelos pais, tendo sido Jason o seu gémeo preferido. Ela tenta lidar com isso da melhor forma mas sai tudo furado.


Archie Andrews: o “engatatão” lá do sítio. Em 12 episódios, acho que se envolveu com quase todas as miúdas lá da turma dele e na próxima temporada deve “atacar” as mães. Ruivo também, é a obsessão amorosa de Betty, a sua vizinha do lado (the girl next door, without the looks, ok?) e amiga desde infância.


Betty Cooper: apaixonada por Archie mas que, mais tarde, envolve-se com Jughead (será mesmo que gosta dele?). Vive obstinada com o que terá acontecido com a sua irmã, Polly, que se encontra desaparecida. Por mais que questione os pais, estes não lhe dão informações nenhumas. Então o que é que ela faz? Investigação por conta própria.


Polly Cooper: ninguém sabe do seu paradeiro até ao dia em que Betty a encontra. Resta-vos saber onde é que encontrou e o porquê de ter desaparecido. Não vos posso contar tudo ehehe


Jughead Jones: o romancista lá do sítio. Vive no seu próprio mundo, isolado, sem grande convívio com as pessoas. Não gosta que se metam na vida dele (quem gosta?) e prefere apenas ter a verdadeira amizade de Archie que andar rodeado por um grande grupo de pessoas fúteis e cínicas, segundo ele.


Veronica Lodge: a menina rica, mimada “ao mais alto nível”, “filhinha dos papás” e (alegadamente) “boazona”. É deixada pelo próprio pai, quando este vai preso por fraude fiscal e branqueamento de capitais, e terá de aprender a viver com as nossas posses e o novo nível de vida com a sua mãe. É a miúda nova da escola. Mas que vai fazer estragos. Abismais. Colossais, diria!


Kevin Keller: filho do xerife de Riverdale, gay, encontra o seu amor num gangue de motards. Sinceramente, ele não teve qualquer destaque na série. Espero que na segunda temporada, este personagem desenvolva um bocado. Caso contrário, “morre” lá no meio.


Apesar de ainda não ter terminado a primeira temporada, a segunda já se encontra confirmada. Esta é uma série diferente das restantes pois traz-nos algo novo: novidades a todos os episódios. A envolvência entre pais e filhos, a mistura do passado dos pais com a atualidade, a semelhança entre os seus passados com a vida atual dos seus filhos são pormenores que dão um ar mais fresco e novo a esta série. Longe vão os tempos de Gossip Girl ou The O.C., onde era tudo “farinha do mesmo saco”. Riverdale, por outro lado, poderá trazer algumas surpresas relativamente ao número de espectadores a ver esta série e espero sinceramente que a mesma não perca esta dinâmica que nos presenteia nesta primeira temporada.

Quem aí conhece esta série? Quais as estão a assistir?
Contem-me tudo!

Até lá, bons post’s ;)













4 comentários:

  1. Ontem à noite disseste-me que estavas a ver esta série e depois deste post mega completo fiquei mesmo com vontade de ver!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico contente por ter conseguido transmitir a mensagem :) beijinhos

      Eliminar
  2. Fiquei super curiosa com esta série Ricardo, parece ser o meu género!

    THE PINK ELEPHANT SHOE // INSTAGRAM //

    ResponderEliminar