22 de novembro de 2016

MAAT’izando

Este passado fim de semana fui a Lisboa visitar o tão falado (e aclamado) Museu da Arte, Arquitetura e Tecnologia, situado na zona de Belém perto do Mosteiro dos Jerónimos e da Torre de Belém.


Deixem-me dizer-vos que apanhei bom tempo no sábado à tarde porque aqui por terras nortenhas, segundo o que me diziam, estava o verdadeiro dilúvio! Ainda bem que estava sol que assim deu para passear um bocado.

Claro está que, para quem me segue no Instagram (@rodri_ricardo – podem acompanhar as minhas peripécias e momentos por lá) já conseguiu ver algumas fotos e vídeos do interior do Museu.

Para quem não sabe e que quer saber um bocadinho mais sobre o MAAT, este “é a nova proposta cultural para a cidade de Lisboa. Um museu que cruza três áreas num espaço de debate, de descoberta, de pensamento crítico e de diálogo internacional. Um projeto inovador que coloca em comunicação um novo edifício, desenhado pelo ateliê de arquitetura Amanda Levete Architects, e a Central Tejo, um dos exemplos nacionais de arquitetura industrial da primeira metade do século XX, e um dos polos museológicos mais visitados do país.

O MAAT traduz a ambição de apresentar exposições nacionais e internacionais com o contributo de artistas, arquitetos e pensadores contemporâneos. Refletindo sobre grandes temas e tendências atuais, a programação apresentará ainda diversos olhares curatoriais sobre a Coleção de Arte da Fundação EDP.

A programação do MAAT começou a 30 de Junho com a apresentação de quatro exposições em salas renovadas do edifício da Central Tejo. A 5 de Outubro, o novo edifício abre ao público”. Deixem-me dizer-vos que no dia 5 de Outubro, a entrada era gratuita e foi tanta gente, tanta gente, que o “anel” do novo edifício correu o risco de ruir! (podem ver o "anel" na foto abaixo) Imaginem os milhares de pessoas que estariam lá para isto acontecer. Não entendo porque é que as pessoas correm desenfreadamente todas aflitas no dia de abertura de qualquer coisa. Opah, mas aquilo vai fechar? Só vai estar aberto um dia? Tenham lá calma.


Moving on“Com o MAAT, a Fundação EDP oferece um novo impulso cultural e paisagístico à cidade de Lisboa. A diversidade de programas e de espaços tornam-no num importante ponto no roteiro cultural da cidade. Uma proposta pensada para todos os públicos, para todas as idades.”

Meus amigos, o MAAT vale bem a pena ser visitado. Para quem não sabe, encontra-se aberto todos os dias das 12h às 20h, encerrando à terça-feira. O bilhete de entrada até Março de 2017 custa 5€ (depois passa a 9€) e até aos 18 anos não se paga. Poderão adquirir os vossos bilhetes diretamente no site do MAAT ou na bilheteira.

Conselho: quem, como eu, é de fora de Lisboa, não sejam tolos e comprem o bilhete antes de viajar. É mais seguro e assim garantem que visitam o Museu.

O Museu visita-se bem em três horas (à vontade, com calma, dá para ler tudo e mais alguma coisa, dá para observar todos os pormenores e apreciar a beleza que o Museu possui). Claro que podem ficar lá mais tempo ou se só quiserem gastar 5€ para dizer que foram lá e fazer sprints lá dentro, estão à vontade – conseguem fazer aquilo em 30, 40 minutos. Mas quem é que vai fazer isto?!

Depois de saírem do Museu, entre os dois edifícios, poderão contemplar o rio Tejo, a ponte 25 de Abril (que causa muitas dores de cabeça e pavor a algumas pessoas – não entendo porquê!), podem tirar fotografias bastante giras com uma paisagem engraçada. Têm as letras no jardim (primeira foto, como podem constatar) se, como eu, quiserem tirar fotografias (ao entrar para meio do primeiro “a” dei alta carolada no interior da letra que até vi estrelas…). E depois, se quiserem passear pela zona, é Belém. Tem um paredão bastante extenso, à beira-rio, e se tiver bom tempo (como estava) fazer um belo e relaxante passeio.

Se vale a pena? Sim.
Se considero um bom “investimento”? Sim. Claro está que não estou a contar com as despesas da viagem e não me entendam mal mas eu não fui a Lisboa de propósito visitar o MAAT. Fui a Lisboa para passear um pouco e passar um fim de semana diferente e aproveitei para visitar o MAAT.
Se recomendo? Sim. Quem gostar de conhecer um pouco mais de história, um pouco mais de cultura, aconselho vivamente a visita. Vão ver que vale a pena.

Quem aí já visitou o MAAT? E que tal?
Contem-me tudo!

Até lá, bons post’s ;)

Sem comentários:

Enviar um comentário