3 de abril de 2016

Vida de Farmacêutico #4

Mais uma história desta minha rubrica aqui no blogue - desta feita, vou-vos contar uma das situações que já me aconteceram com pílulas do dia seguinte.

Antes que me crucifiquem, e digam que eu devia ter vergonha na cara em escrever esta rubrica e partilha-la publicamente, devo referir que antes de inicia-la, pensei no assunto, e uma das coisas que eu faço (se repararem) é que não refiro nomes! Não há nomes envolvidos, logo não há identificações de utentes nem coisa que o valha.


Posto isto, passemos à parte séria da coisa. Meninas (e meninos que vêm comprar a pílula do dia seguinte para a namorada, para a amiga, para a esposa, etc.): a pílula do dia seguinte é conhecida como "pílula de emergência" por alguma razão! NUNCA DEVE SER CONSIDERADA como método contraceptivo dito normal. NUNCA! Perceberam? Deve ser única e somente usada em casos de verdadeira emergência (e/ou acidente) e apenas quando estritamente necessário, uma vez que é um "bomba hormonal" que vai desregular completamente o ciclo menstrual da mulher. Nunca utilizem este método de emergência como um método contraceptivo como a pílula diária ou o preservativo. Estou a maçar-vos com isto porquê? Porque já atendi duas pessoas (uma adolescente e uma mulher mais velha do que eu) que vieram comprar a pílula do dia seguinte porque, e passo a citar, "iam estar com o namorado nessa noite e não queriam usar preservativo". Ponto número 1 - já referi anteriormente que não deve ser considerado como método normal. Ponto número 2 - o preservativo não impede apenas uma gravidez indesejada. Ele também nos protege das DST's (Doenças Sexualmente Transmissíveis), agora IST's (Infecções). Meus amigos e minhas amigas, vamos ser responsáveis, pode ser? Pode? Obrigado! ;)

Claro está que, dentro desta temática, também há aquelas situações em que as mulheres pensam que é necessário partilhar os pormenores mais privados e todas as razões que a levam a ir adquirir a pílula do dia seguinte. Deixo-vos um exemplo que já me aconteceu, curiosamente num dia em que estive de Serviço Permanente na Farmácia (para quem não sabe, são as noites que as Farmácias ficam abertas a trabalhar):

U - Queria a pílula do dia seguinte
F - Este tipo de método contraceptivo terá que ser tomado o mais cedo possível, não ultrapassando idealmente as 48 horas depois da relação sexual desprotegida
U - Acabei de sair do carro dele.

(Ok...)

Não percam o próximo episódio (não sei quando haverão mais histórias engraçadas que mereçam algum tipo de "destaque") porque nós também não! (Sim, eu via Dragon Ball quando era miúdo. Quem não via?! :D)

..................................................................

Estamos num novo mês e, como tal, nova edição da revista Blogazine. Poderão aceder à mesma em www.blogazine.pt e acompanhar todas as novidades no Instagram em @blogazine_. A propósito, há passatempo a decorrer no Instagram da revista. Depressa pois termina dia 8 de Abril ;)

Vão ficar de fora?

2 comentários:

  1. Eu sei que é grave e até tentei conter o riso, mas não consegui!  
    Apesar de toda a informação que existe e que está facilmente acessível a qualquer um, infelizmente ainda há quem leve com leviandade a toma da pílula do dia seguinte. Também é essa a função do farmacêutico: informar e esclarecer os utentes para que não voltem a repetir determinados erros. Fico a aguardar por mais umas quantas "pérolas" farmacêuticas. ;)

    Anita - A Caçadora de Sonhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A questão Ana Cecília Duarte é que muitas vezes as pessoas não têm conhecimento dos perigos de tomar este medicamento. Como a amiga/vizinha tomou, logo eu também posso tomar sem problema. É um erro e faz parte da minha profissão esclarecer e ensinar os utentes (se bem que ainda há uma parte residual deles que se mantém renitente em aceitar isso)

      Eliminar