4 de dezembro de 2015

BOOKS #4 | Alex Cross (James Patterson)

Mais um livro lido e, como tal, mais uma opinião sobre o mesmo. Já aqui falei de alguns livros que li e qual a minha opinião sobre eles. Poderão consultar as mesmas nos seguintes links:

Diário de Uma Obsessão, de Claire Kendal
Os Anagramas de Varsóvia, de Richard Zimler
Os Litigantes, de John Grisham

Desta feita, é a vez de mais um autor estreante na minha colecção de livros - James Patterson. Nunca li um livro deste autor, apesar de ser do meu género literário favorito. Assim, comprei e comecei a ler o primeiro livro de uma saga de, até à data, cinco livros, tendo como personagem um ex-investigador da polícia e psicólogo - Alex Cross.


Eis o resumo do livro "Alex Cross":
"Alex Cross era uma estrela em ascensão na Polícia de Washington DC quando um desconhecido assassina a sua mulher, Maria, à sua frente. Anos mais tarde, Alex deixa as forças de segurança e regressa à carreira de psicólogo, revelando-se um bem-sucedido escritos de livros policiais. A vida com a sua avó Nana Mama e os filhos Damon. Jannie e o pequeno Alex parece correr na perfeição, e o detective admite mesmo viver um novo amor. É nesta fase que John Sampson, o seu antigo parceiro na Polícia, lhe pede ajuda para capturar um perigoso criminoso.
Cross regressa então à acção, sem saber que se prepara para enfrentar o assassino da sua própria mulher. Tem início a busca pelo homicida mais astuto e psicótico que jamais enfrentou, e que o vai empurrar perigosamente para o ponto de ruptura."

Ora vamos lá começar: um ponto positivo na construção do livro é o facto de este estar dividido em várias partes. Ou seja, são vários livros num só. Outro aspecto que gostei particularmente é o tamanho dos capítulos. Não são muito extensos, têm no máximo cinco páginas e isto para mim é uma vantagem pois torna a leitura mais dinâmica e lê-se o livro mais fácil e rapidamente.

Claro que isto também tem um ponto negativo que é uma pessoa ir na página 200, pensar que efectivamente leu 200 páginas mas, no fundo, corresponder apenas a 170 páginas lidas (tirando os espaços todos e o tamanho da letra que é grande).

Quanto à história, Alex Cross surge como um personagem bastante forte, com ideias bastante fixas, uma vida com algum sofrimento e bastante aprendizagem, é bastante ponderado e equilibrado nas decisões que toma, tanto a nível familiar, como pessoal e profissional. Os filhos de Alex Cross e mesmo Nana Mama não são personagens bastante explorados (também porque o foco principal do livro não são estes - pelo menos neste volume não o são, a menos que nos próximos livros, o escritor os coloque em perigo). Michael Sullivan, o Carniceiro, é um autêntico psicopata. Perde-se nos seus delírios, nos seus pensamentos pecaminosos, calculista e bastante determinado em satisfazer as suas necessidades, quer a nível de "matança", como a nível pessoal. Um personagem bastante interessante de se conhecer (por favor, não me interpretem mal nesta frase!! :D ), pois ficamos presos a ele. Ficamos curiosos em saber o que se vai passar a seguir, qual o próximo passo dele, em que é que ele estará a pensar, de quem é que ele vai atrás...

Se vale a pena ler o livro? Sim, vale bastante a pena para quem gosta deste género. Pessoas que habitualmente leiam Nicholas Sparks ou outros do género são capazes de não achar muita piada a este tipo de livro mas, se tal como eu, são leitores de Stephen King, Tess Gerritsen ou Jeff Abbott, este é, sem dúvida, um livro a considerar colocar na vossa estante.

Quem é que já leu o livro? :)

1 comentário: